noticias

A Virada Cultural de Belo Horizonte proporciona um olhar diferente para a cidade, desvendando coisas novas e antigas no presente, a partir da vivência com o ambiente urbano. Com isso em mente, separamos cinco curiosidades sobre a Região Central de BH para vocês.

Lembra de mais alguma? Conta pra gente!

1) O Parque Municipal é mais antigo que a cidade
Inaugurado em setembro de 1897, alguns meses antes da fundação de Belo Horizonte, em dezembro, o Parque Municipal Américo Renné Giannetti é uma das estruturas fundamentais da arquitetura belo-horizontina. É um dos patrimônios mais antigos da capital mineira, que ostenta atualmente mais de 182 mil m² de vegetação e espaço aberto, com cerca de 280 espécies de árvores.

2) O fantasma da Maria Papuda
Uma das lendas mais folclóricas da cidade é o fantasma de Maria Papuda, que é conhecida como a última moradora da vila de Curral D’El Rey. A história diz que ela foi expulsa do casebre onde morava para a construção da capital e seu espírito, hoje, vaga entre a Rua da Bahia e a Avenida Afonso Pena.

3) Há mais de 700 bares no Centro de BH
Belo Horizonte é considera a capital mundial dos bares. De acordo com o IBGE, só a Região Central da cidade tem 704 estabelecimentos, onde há quase 350 butecos por Km²! As avenidas que mais têm oferta de barzinhos são a Contorno, com 118, a Amazonas, com 108, a Augusto de Lima, com 77 e a Rua da Bahia, com 68. Haja cerveja!

4) Igreja de São José é a igreja mais antiga da capital
Com 60 metros de comprimento e 19 de largura, a Igreja de São José, construída em “perfeita cruz latina”, de acordo com a Prefeitura de Belo Horizonte, é um dos monumentos mais antigos da cidade. Ela foi arquitetada pela congregação dos redentoristas e inaugurada no início do século XIX. Hoje, o templo atende quase 1,5 mil pessoas por dia e 5 mil nos fins de semana.

5) A Praça da Rodoviária e a abertura política brasileira

A Praça Rio Branco, marco zero da Avenida Afonso Pena e ponto conhecido por abrigar o Terminal Rodoviário de Belo Horizonte, tem em sua estrutura uma obra de arte que exalta a liberdade e a democracia no Brasil. Em 1982, o monumento de 21 metros “Liberdade em Equilíbrio”, da artista plástica Mary Vieira, foi instalado na praça para comemorar e marcar a redemocratização do país, que vinha acontecendo desde o início daquela década.