noticias

Ver essa foto no Instagram

Xenia França vai pousar a nave dela na Virada Cultural!

Uma publicação compartilhada por Virada Cultural de BH (@viradaculturalbh) em

Xenia França é a grande atração para o palco da Guaicurus, no dia 21 de julho, na Virada Cultural de Belo Horizonte. A cantora acaba de ser indicada ao Latin Grammy Award em duas categorias Melhor Álbum de Pop Contemporâneo e Melhor Música com “Pra que me Chamas?”, faixa da qual lançou o seu segundo videoclipe. Com este trabalho concorre ainda ao Women Music Award como Melhor Videoclipe e também Melhor Show. Em 2018 realizou sua primeira turnê nos EUA, seu disco foi lançado no Japão e em vinil no Brasil.

A artista começou a carreira cantando sambas e clássicos da MPB na noite paulistana. Inserida em um cenário artístico de resgate e propagação da cultura Afro-Brasileira, se transformou em uma referência de empoderamento e comportamento feminino, principalmente para as mulheres negras. Hoje, amante da cultura e música cubana, a baiana radicada em São Paulo, reverencia o som que vem da diáspora negra, em uma sonoridade essencialmente pop com pitadas de música eletrônica, jazz, samba-reggae, rock e R&B.

xenia

“Minhas influências desde pequena são Michael Jackson, Stevie Wonder, Gilberto Gil, Elza Soares, Margareth Menezes, Ilê Aiyê, Olodum, Edson Gomes, Milton Nascimento, entre outros. Também posso dizer que, há pouco mais de quatro anos, vivo um verdadeiro caso de amor pela música e cultura cubana. No meu trabalho, eu louvo esse povo tão maravilhoso por meio do Batá, tambor sagrado presente entre as gravações.”, comenta.

Conheça mais:
www.youtube.com/XeniaEric1
www.facebook.com/xaniquajohnson
www.instagram.com/xeniafranca/
www.xeniafranca.com.br

Sobre a Virada Cultural
A Virada será realizada durante 24 horas nos dias 20 e 21 de julho, com uma ocupação artística e cultural no hipercentro de Belo Horizonte. Ao todo, serão cerca de 400 atrações gratuitas – 136 selecionadas pelo edital – que devem atrair cerca de 500 mil pessoas em um circuito formado por seis áreas principais no centro da capital, além de espaços culturais parceiros, em uma experiência intensa de compartilhamento e ocupação do hipercentro, atrelada ao convívio com diferentes culturas, estilos, credos e tribos. O evento é uma realização da Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e da Fundação Municipal de Cultura, e do Instituto Periférico.